Através dos programas: Gugu, no SBT, Ratinho Livre, na Record e Programa Goulart de Andrade, na TV Bandeirantes, Saulo fez a cobertura da morte dos "Mamonas Assassinas" entrevistando familiares dos músicos e a viúva do piloto. O assunto virou caso de polícia.

“Utopia” – foi uma banda brasileira de rock cômico formada em Guarulhos – 1990, depois “Mamonas Assassinas”. Seu som era uma mistura de pop rock com influências de gêneros populares, tais como sertanejo, brega, heavy metal, pagode, forró, música mexicana e vira.

Os Mamonas no início da carreira



O grupo “Mamonas Assassinas” teve um ano e meio de vida, de outubro de 1994 a 2 de março de 1996, quando o grupo foi vítima de um acidente aéreo fatal sobre a Serra da Cantareira, ocasionando a morte de todos os seus integrantes, o que causou grande comoção nacional. A banda continuou influenciando a cena musical nacional e sendo celebrada mesmo décadas após seu fim.

Os componentes da banda

  • Dinho (Alecsander Alves) – era o vocalista principal e líder da banda. Também tocava violão;
  • Bento (Alberto Hinoto) – era o guitarista da banda. Também tocava violão e fazia backing vocals;
  • Samuel (Samuel Reis de Oliveira) – era o baixista da banda e também fazia backing vocals;
  • Sérginho (Sérgio Reis de Oliveira) – era bateirista da banda e também fazia backing vocals;
  • Júlio (Júlio César) – era o tecladista da banda. Também fazia backing vocals e vocais.



Em 02 de março de 1996 aconteceu a queda do avião que transportava os Mamonas Assassinas, de Brasília para São Paulo.



Fizemos esse livro, em parceria com Monica Buonfiglio, onde denunciamos todos os erros técnicos e humanos que contribuiram para a queda do avião que levava os “Mamonas Assassinas” . Livro editado em dez/1996, esgotado.

O último voo

O que teria acontecido a bordo do “Learjet” durante o percorrer das últimas 15 milhas? Os segundos finais dessa viagem, que terminou em tragédia, permanecem como um mistério. Mistério a bordo e mistério na torre. Estive tentando desvendar, através de entrevistas, viagens, análises de relatórios e muitos contatos com pessoas envolvidas, direta ou indiretamente, nos acontecimentos. Deparei-me com muitas dificuldades durante esse trabalho. Os relatórios examinados utilizam fraseologia fora dos padrões normais (segundo fita gravada pela torre), levando a dupla interpretação. Culpados? Não é hora de apontar culpados, nem essa é a intenção. É hora, isso sim, de corrigir os erros. E quantos foram cometidos! “O piloto é culpado”, estão todos dizendo. A verdade é que é o mais fácil de dizer, porque ele não está em condições de se defender, já que também faleceu no acidente. O dia 02 de março de 1996 marcou o país, quando circulou a notícia de que caíra, na Serra da Cantareira, o avião de prefixo PT-LSD matando nove pessoas, entre elas os cinco integrantes do conjunto “Mamonas Assassinas”. Era mais um acidente ocorrido numa época em que costumamos dizer que “a bruxa está solta” em 1994.




Foi assim que o alegre grupo, “Mamonas Assassinas”, virou caso de polícia

Programa “Domingo Legal” – SBT-SP – 1996
Programa do Gugu apresenta os destroços do avião LSD, que conduzia os “Mamonas Assassinas”. O material foi recolhido por Roberto Nicolai que era o presidente do Clube dos Mamonas Assassinas.


Programa “Domingo Legal”- SBT-SP1997
* Saulo debate com o Cel. da Aeronáutica, 1 ano após o acidente com o avião que conduzia os “Mamonas Assassinas”.


“Comando da Madrugada” – Goulart de Andrade. Saulo entrega à Cristiane Martins, viúva do piloto Jorge Germano Martins, documentos encontrados nos escombros do avião PT-LSD, que se chocou contra a serra da Cantareira-SP, quando transportava os “Mamonas Assassinas”, em 02 de março de 1996.



Programa “Ratinho Livre” – TV Record-SP – 1998
Saulo leva ao programa do Ratinho, os familiares dos Mamonas e o advogado da família do Dinho para debater a decisão da justiça em arquivar a ação da família contra a aeronáutica.