A campanha para o Hospital do Fogo Selvagem, em 1968, surgiu de um apelo de Chico Xavier após a 1ª entrevista na Comunhão Espírita Cristã, quando Chico pediu: Saulo, você pode “dar uma ajudinha” para a Aparecida?
Hospital do Fogo Selvagem – foto de 1969

um pouco da história da campanha para o hospital do Fogo Selvagem de Uberaba-MG

……… no final da entrevista, Saulo e Chico se encontraram na cozinha. Era tarde, mas nunca tarde demais para mais um café. Chico preparou ele mesmo. Enquanto esquentava a água, fez uma pergunta.
— Você conhece a Aparecida do Hospital Fogo Selvagem?
— Lembro que tê-la visto uma vez no programa da Hebe Camargo.
— Eu queria te pedir um favor. Essa mulher está lutando tanto para conseguir administrar o hospital, você poderia dar uma ajudinha a ela?
Saulo respondeu que ia ver com muito carinho como ajudar . No dia seguinte, bem cedo, Saulo foi com a equipe procurar Dª Aparecida.
— O Hospital do Fogo Selvagem é nesta rua?
— É sim. É ali onde estão aquelas roupas penduradas.
Foi a primeira coisa que todos viram. Vários varais de mais ou menos trinta metros cada, com muitas roupas penduradas.
Na porta um dos pacientes foi quem os recebeu.
– Aqui é o hospital? – perguntou o repórter.
– É sim, está bastante destruído, mas é aqui que a mãe Aparecida cuida da gente, vou chamá-la.
Enquanto esperava Saulo começou a fazer a reportagem.
Ele e todos da equipe estavam bastante impressionados com o lugar muito simples. O chão, uma parte era de terra batida; haviam algumas caminhas muito baixas e todas aquelas roupas espalhadas para todos os lados. Enquanto ele entrava narrando o que via, dona Aparecida veio a seu encontro. Ela foi a primeira entrevistada. Saulo contou que estava ali com a recomendação do amigo dela Chico Xavier e que sua intenção era fazer uma reportagem sobre o Hospital. Era uma imagem difícil de ser narrada. Não dava para usar palavras bonitas para descrever um lugar tão precário. Ali, a única coisa positiva, era o amor de dona Aparecida por aqueles quase cem pacientes.
– Dona Aparecida, por que esses fogareiros? – Quando o paciente está com as bolhas na pele em carne viva, eles não conseguem usar roupas. A dor é insuportável. Na época do frio, para aquecê-los, nós acendemos os fogareiros. Sem recurso para comprar a quantidade necessária para todos, ela diluía o remédio em vaselina
líquida e passava pelo corpo dando a eles a impressão de que estavam sendo devidamente medicados. Mais adiante, alguns tambores enormes de óleo, cheios de água, serviam de tanque para a mulher franzina lavar, diariamente, centenas de peças de roupas. Mais a frente, dona Aparecida apresentou a Saulo Gomes, três meninos que sempre a acompanhava quando ia a São Paulo para pedir ajuda: Toinzinho, Vicente e Armandinho. Eles tinham pouco, mas tudo era fruto de arrecadações. Foi assim que Saulo apresentou a matéria na TV Tupi, no programa Diário de São Paulo na TV: – A minha reportagem de hoje é um soco na cara das autoridades de Uberaba e do Brasil. Mostrarei, nesta noite, uma
reportagem com muitos gemidos e gritos de dores. … E a reportagem virou campanha, e a campanha construiu o Hospital do Fogo Selvagem de Uberaba-MG. Veja mais no livro de Adriana Silva: “Saulo Gomes o grande Repórter Investigativo”.




Saulo chega em Uberaba-MG com uma caravana de 23 caminhões com doações para o Hospital do Fogo Selvagem – junho /1968











Programa Fábio Jr. – TV Record-SP


Chico Xavier e Dª Aparecida com as crianças do Lar da Caridade – 1968


Dª Aparecida, Vicentinho e Saulo Gomes



Homenagem dos Correios à Dª Aparecida

Selo em homenagem a Dª Aparecida




Homenagem dos Correios a Dª Aparecida



O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é JORNAL-A-CIDADE-27out2013_1-708x1024.jpg




Hospital do Fogo Selvagem – Lar da Caridade

O LAR DA CARIDADE, popularmente conhecido como Hospital do Fogo Selvagem ou Hospital do Pênfigo, é uma entidade de ASSISTÊNCIA SOCIAL, SEM FINS LUCRATIVOS, fundado com o objetivo de atender pessoas com o “Pênfigo Foliáceo”, uma doença cujos sintomas se assemelham a labaredas que percorrem o corpo e deixam na pele verdadeiras marcas de queimadura. Além deste atendimento, assiste em regime de abrigo crianças e adolescentes em situação de risco social, adultos e idosos. Incluem-se ainda nas finalidades da obra, a promoção do aperfeiçoamento moral, intelectual, físico e social dos usuários. Principais Objetivos da Instituição:
· Oferecer tratamento aos pacientes do pênfigo; 
· Acolher crianças e adolescentes em situação de risco pessoal e social; 
· Contribuir para atender às necessidades básicas da comunidade local. Esta instituição existe graças à dedicação e persistência de uma mulher, Dona Aparecida (a Vó Cida), que com muita luta e amor aos portadores do pênfigo foliáceo conseguiu concretizar esta obra. Vó Cida começou a trabalhar com os pacientes do “fogo selvagem” em 1957 como enfermeira do setor de isolamento na Santa Casa de Uberaba. Devido às dificuldades do tratamento e também à falta de informação e preconceitos contra a doença na época, a Santa Casa acabou por “liberar” esses pacientes, muitos ainda sem condição de alta. Vó Cida então não hesitou e levou os pacientes para sua própria casa. Depois de enfrentar preconceitos, pedir esmola, ser até presa, mas com a ajuda de várias pessoas do bem, entre elas Chico Xavier, Vó Cida criou o Hospital do Fogo Selvagem, que mais tarde passou a se chamar Lar da Caridade. Dona Aparecida trabalhou por seus pacientes até seu falecimento em 22 de dezembro de 2009 aos 95 anos de idade. Mas seu exemplo e sua força espiritual continuam a ajudar e motivar os demais colaboradores desta obra. Fique à vontade para navegar pelo site, visitar o hospital, e seja você também mais um a apoiar. Seja bem-vindo… Deus o abençoe.                                ………………………………………….     

Contato: (34) 33182900 E-mail: fogoselvagem@terra.com.br